Categories

A sample text widget

Etiam pulvinar consectetur dolor sed malesuada. Ut convallis euismod dolor nec pretium. Nunc ut tristique massa.

Nam sodales mi vitae dolor ullamcorper et vulputate enim accumsan. Morbi orci magna, tincidunt vitae molestie nec, molestie at mi. Nulla nulla lorem, suscipit in posuere in, interdum non magna.

Mais sobre enjoos…

Aproveitando que estou melhor hoje volto a escrever neste abandonado blog…

Desculpem, mas o assunto ainda é enjôo, que é aliás a razão pelo abandono do blog. Para quem tem desejado minhas melhoras, agradeço, e sinto dizer que não, ainda não passaram os enjôos, são constantes, todos os dias, já estou definindo assim: geralmente estou bem ruim, mas tem dia que pioro…

Pois é…  Como o Renato já disse 70% das mulheres sofrem de enjoos durante a gravidez, e eu faço parte de um pequeno grupo de mulheres que sofrem de “enjoos severos”!

Pelo que sabemos o “responsável” pelo mau estar é o chamado hormônio da gravidez, o HCG (gonadotrofina coriônica humana), com um nome desses só podia causar enjôo mesmo…  produzido ao longo dos nove meses.  No primeiro trimestre da gestação os níveis deste hormônio são mais altos para garantirem um ambiente ideal para o desenvolvimento da criança, é ele que afeta a atividade cerebral alterando o centro responsável pelo vômito.

Sabe-se também que o hormônio progesterona desacelera os movimentos gastrointestinais, de modo que a comida permanece no estômago por mais tempo e se move lentamente pelo sistema digestório materno.

Pois é,  existem os enjôos que não chegam a causar vômito, existem os que causam, e existem os meus…

Em algumas mulheres os enjôos e vômitos são tão intensos que chegam a ficar desidratadas e até a perder peso!  É o meu caso!

Sinto-me impelida a descrever como tem sido nossos dias e noites!  Aviso aos que possuem um estômago mais sensível que pulem a descrição a seguir, pois pode causar… hummm náuseas…

Como disse os enjôos são constantes, e não são devido a alguma comida ou cheiro em especial, se assim fosse seria apenas banir os causadores, no meu caso acontecem naturalmente sem uma causa externa, nos dias que fico pior, como na última segunda-feira, tudo que como volta, os vômitos são tão intensos que o esforço para expelir qualquer resquício de alimento ou água no estômago me faz sentir uma dor terrível, não consigo ficar de pé, colocamos um banquinho no banheiro para que eu possa ficar sentada, quando termino não consigo me levantar, sinto-me muito mau e extremamente fraca, quando está em casa o Renato (coitado) fica comigo o tempo todo, massageando minhas costas (alivia), e me ajuda a voltar para a cama.  Na última segunda-feira foi assim o dia inteiro e a noite também, depois de comer e vomitar tantas vezes meu estômago doía intensamente, e eu me sentia ainda mais fraca, quase fomos ao hospital para que eu tomasse soro, afinal nem água parava mais do que 10 ou 15 minutos…

Na terça-feira (ontem) o Renato não foi trabalhar, ficou comigo, não vomitei mais, porém voltar a comer foi difícil, sentindo muita dor, comecei ingerindo líquidos, e depois uma sopa que o Renato havia feito para mim, em pequeniníssimas porções até o estômago ir se habituando de novo…

Antes que se perguntem se não estamos fazendo nada para evitar, digo que fizemos de tudo, comer de duas em duas horas, comer antes de levantar da cama pela manhã, alimentação adequada, já tentei todas as dicas (e cada pessoa tem uma) melancia, melão, limão, água gelada, chupar gelo, até o remédio que médico receitou, apenas me recusei a mastigar gengibre…  Ninguém merece…   E tudo falhou…

Com este relato não quero assustar quem está pensando em engravidar, afinal, os sintomas variam de mulher para mulher, e até mesmo de gravidez para gravidez, sim, pode ser que quando estiver esperando meu próximo filho não sinta nada, e é nisto que vou acreditar ou não teremos mais filhos biológicos… rsrsrs

Há também o lado bom dos enjôos, apesar de ser muito desagradável, é certo que não causam nenhum dano ao feto,  os mais recentes dados científicos  revelam que as mulheres que mais vomitam são aquelas cujo corpo, e feto, mais fazem para não permitir um aborto espontâneo.

Começando pelo princípio, e em termos muito simples: o sistema imunológico feminino tem a possibilidade de baixar as suas defesas para não rejeitar o “corpo estranho” que é o embrião que se nidifica no seu útero.

Para defender o bebê produz-se o tal HCG, e os enjoos são o efeito secundário dessa substância que é mais alta nas mulheres com a síndrome NVG (Náuseas e Vômitos na Gravidez). Ou seja, quanto mais enjoada uma grávida se sentir, menor é a probabilidade de perder o bebê.

Para nós este é um grande alívio pois já sofremos um aborto espontâneo na primeira vez que engravidamos. (falaremos disto em outro post)

Bem, e há também o maior dos alívios: estar consciente do por quê se está passando por isso!!  Caramba!!! Estamos esperando um bebê!!  E o mais importante é que ele está bem!! É preciso manter a consciência de que estamos passando por um processo natural, que não estou enjoando ou passando mau por estar doente!  NÃO!!  Se trata do meu corpo se adaptando para melhor acolher nosso filho (a), qualquer desconforto, qualquer dor se perde diante uma razão assim…

Também devo dizer que tenho muita, mas muita sorte…  De ter ao meu lado um companheiro como o Renato, presente, carinhoso, compreensivo, participante.

Não é nada fácil para ele também, trabalha o dia inteiro, preocupado,  e quando chega em casa encontra a esposa largada na cama ou no sofá, não tem mais a comidinha que eu fazia com tanto carinho para jantarmos juntos, agora ele é que, cansado, vai para a cozinha preparar algo para mim, sempre sorrindo, sempre de bom humor, sempre cheio de carinho e disposição…

E sei que se ele pudesse sentiria os enjôos em meu lugar!  Ele faz de tudo para demonstrar que está comigo, que estamos juntos nesta!

E assim, sei que nosso bebê também já vai de algum modo sentido como seus pais se comportam, nosso bebê  já vai se familiarizando com algo que foi dito em nossa cerimônia de casamento: que estamos “UM COM O OUTRO, E UM PARA O OUTRO”.

3 comments to Mais sobre enjoos…