Categories

A sample text widget

Etiam pulvinar consectetur dolor sed malesuada. Ut convallis euismod dolor nec pretium. Nunc ut tristique massa.

Nam sodales mi vitae dolor ullamcorper et vulputate enim accumsan. Morbi orci magna, tincidunt vitae molestie nec, molestie at mi. Nulla nulla lorem, suscipit in posuere in, interdum non magna.

Sobre a dor do parto!

Este era um assunto sobre o qual nunca me ocorreu escrever porque eu não achava importante! Mas aos poucos fui percebendo o quanto de importância ele tem para os outros!

O quanto essa estória da dor chega a ser determinante na hora de escolher como o filho vai nascer!

Sei, e já ouvi mulheres falarem que escolheram ou escolherão cesárea porque “não são resistentes à dor”… Bom, como cesárea para mim nunca significou opção, nunca passou pela minha cabeça a não ser se for para salvar a minha vida ou a do meu filho, e principalmente porque para mim cesárea não é parto, dedicarei a esta parte da questão em meu texto apenas o espaço que lhe cabe em minha mente: mínimo!

Cesárea na minha opinião é um procedimento cirúrgico, maravilhoso, criado para salvar vidas e quando assim é utilizado recebe meu louvor por existir e por estar tão avançado! Porém usado de forma indiscriminada, sem uma real indicação médica para tal, na minha opinião é uma agressão à mãe, ao bebê, aos verdadeiros médicos, à medicina, ao processo natural da Vida!

E no contexto do que estou escrevendo optar por cesárea para escapar da dor para mim não passa de uma grande ilusão! Na verdade é apenas uma questão de adiar a dor do momento do parto para a recuperação pós cirúrgica, e que não me venham relatos de recuperações maravilhosas e indolores, pois sob efeito de morfina isso apenas serve para embasar o que chamo de ilusão…

Não vou gastar meu tempo falando sobre o que os especialistas pensam ou pesquisaram sobre a dor na hora do parto! Para quem se interesar por este lado da questão sugiro que leiam Michel Odent e Denish Walsh!

Deixo também um link para a opinião de um desses especialistas para que cada um leia e tire suas próprias conclusões: http://www1.folha.uol.com.br/folha/equilibrio/noticias/ult263u594286.shtml

O que vou compartilhar é como EU encaro e sempre encarei esse negócio de dor na hora de parir! Tenho encontrado muitos olhares aterrorizados quando comento sobre meu desejo pelo Parto Natural, sem anestesia!

Vale lembrar que o parto que escolhi e desejo para mim nada tem a ver com esses partos hospitalares que de normal não tem nada! Nos quais a mulher não pode escolher a posição que sente mais confortável na hora de parir, que tudo é para beneficiar o profissional que a está atendendo mas não a ela!

O parto que escolhi e desejo para mim é aquele no qual não receberei o famoso “sorinho” que acelera e intensifica as contrações, de forma que o processo natural é alterado e o meu corpo não teria tempo de liberar endorfinas suficientes para tornar o trabalho de parto suportável, ou não me daria tempo para descansar e me recuperar entre uma contração e outra, talvez seja a primeira intervenção feita e que acaba por “puxar” as outras, pois com o processo natural do corpo alterado, as dores são muito mais fortes, daí é quase certo que a mulher não suporta e pede uma anestesia, e uma vez anestesiada ela já não tem controle algum sobre o próprio corpo, dificilmente poderá caminhar, ou mesmo controlar o quanto de força ou relaxamento que poderá colocar sobre o períneo, daí a necessidade de uma episiotomia para evitar uma laceração grave!

Sem falar que em muitos casos a anestesia interrompe o trabalho de parto e o fim de tudo é uma cesárea…

O parto que escolhi para mim por ser verdadeiramente natural já torna essa questão da dor muito mais fácil de ser tolerada!

Há quem defenda que a dor no parto é importante até mesmo para se criar ou fortalecer o vínculo entre mãe e filho!

Outro dia assistindo em uma novela a briga de duas personagens cada qual se declarando mãe de uma terceira, o que achei curioso foi que a mãe biológica, de todos os argumentos existentes no mundo para justificar por quê ela é a mãe “verdadeira”, ela usou justamente o fato de que a outra não sentiu as dores do parto e portanto não poderia ser considerada mãe…

Enfim, parece que isto ainda está bem enraizado no subconsciente de algumas pessoas…

Acho que esta é uma questão muito subjetiva. Deve haver sentido em afirmar que a dor ajuda a criar um vínculo entre a mãe e o bebê, mas deve haver sentido também em afirmar que isto não é determinante!

Acho que vale lembrar que as maneiras de encarar a dor, ou qualquer outra coisa, são tantas quantas existem pessoas no mundo!

Só posso falar com tranquilidade sobre como esta questão é para mim!

Desde garotinha sempre sonhei para mim um parto totalmente natural, sem anestesias, sem cortes, sem medicamentos… Agora, grávida de 34 semanas do meu primeiro filho estou me preparando para ter um Parto Domiciliar, decisão esta muito bem pensada, pesquisada, analisada.

Estou tranquila quanto a questão da dor. Não me iludo em achar que ela não existirá! Na minha primeira gravidez sofri um aborto espontâneo no qual felizmente não precisei de nenhuma intervenção para expelir o embrião nem todo o material que restou depois, e lembro que senti MUITA dor!

Imagino que para o parto a dor seja mais intensa e talvez mais demorada!

Não estou afirmando que não existam casos em que a mulher não sentiu dor nenhuma, afinal, para cada afirmação totalizadora e generalizada que fazemos sobre qualquer coisa logo surgem inúmeros casos para “desmentir”.

Estou dizendo que senti dor para expelir um embrião, e acho que vou sentir dor para parir meu filho em casa sem nenhuma anestesia!

O que faz diferença para mim é saber que esta dor do parto é diferente de uma dor patológica qualquer! Encaro como sendo uma dor natural, que faz parte de um processo maior que é o de saber que meu corpo está tirando um bebê pronto de meu útero e colocando-o em meus braços…

O que faz diferença para mim é saber que além de natural é uma dor que para mim faz sentido, tem significado, e pensar no quão belo é este significado me faz encarar esta parte do processo com tranquilidade e alegria!

O que me dá tranquilidade é apenas acreditar que suportarei a tal dor, que como eu disse, é uma parte do processo, e que além dela existem outras nuanças e aspectos que são tão maiores para mim que eu não abriria mão de sentir todo o resto só para não passar pela parte da dor!

Para mim é o significado que as coisas tem que fazem a diferença! E o que significa algo para mim, para outra pessoa é totalmente diferente, e aí vão as centenas de razões que formam cada ser humano…

Acho que sentirei dor no sentido fisiológico durante meu parto, mas sei que será a dor mais “diferente” que já senti ou sentirei, dado o tamanho do seu significado, dado o que advirá depois que ela se for…

Há uma questão importante que é a confiança! Eu confio no meu corpo, confio na capacidade dele em parir! É esta confiança que qualquer mulher que deseja um parto natural precisa ter! E a maneira de conquistar esta confiança muitas vezes roubada por várias razões, é o caminho individual que cada uma percorrerá rumo a se descobrir como verdaderia mulher, como fêmea, como portadora de um poder maravilhoso e infinito que apenas basta que ela creia possuir!

Minhas reflexões sobre esta capacidade da fêmea começou quando eu era apenas uma garotinha! Lá pelos 9 ou 10 anos, quando morava num sítio e via as gatas de estimação da minha vó parindo… Sempre dava um jeito de ir olhar os gatinhos nascendo! Ficava quietinha, maravilhada, quase sem respirar para não incomodar a gata, olhando os movimentos esquisitos que a barriga dela fazia, o jeito como ficavam os olhos dela, sendo que gatos são animais sempre tão ativos, atentos, observadores, e ela alí, naquele momento imersa num silêncio absurdo, sem enxergar nada ao redor, já que não havia alí nenhum perigo, dava-me a impressão de que aqueles movimentos estavam causando dor, mas não era isso que demonstrava a carinha da gata, não era na dor que estava focada a atenção da gata, e através daqueles movimentos um gatinho nascia, ela apenas o lambia, acomodava-o melhor embaixo de si já mamando e aguardava pelo próximo!

Quando o último nascia ela simplesmente se levantava e começava a se limpar e limpar o ninho, tranquila, e cheirando seus filhotinhos!

Era isto que eu via, e quando ouvia minhas tias e primas mais velhas falando de como tiveram seus bebês no hospital uma coisa não combinava com a outra!

Lembro da minha vó dizendo que não queria ninguém perturbando a gata, que ela precisava de sossego, e que não era para separar os filhotes dela nem um momento para ela não ficar com “tristeza” e rejeitar o gatinho depois,(seriaisso a depressão pós parto?)!!

E eu pensava muito que se até as gatas mereciam esse respeito por que as mulheres não???

E o mais grave: elas pariam tão naturalmente, eu me questionava que se Deus deu este dom a uma gata por que não daria esse dom às mulheres????

A outra questão importante é a harmonia! Estarei em harmonia com meu filho, nós dois seguindo o rítmo natural rumo ao nascimento belo que sei que ele terá! Há rítmo em todas as coisas do universo, há no movimento das águas do mar, há rítmo no próprio passar do dia para a noite, há entre o movimento planetário, e acredito neste rítmo entre meu filho e eu unidos para trazê-lo ao mundo!

Bem, é isto que penso sobre a minha dor, pois é isso que ela significa para mim!

E quem sabe até não serei uma dessas mulheres que nem sentem dor nenhuma??? rsrsrr

Mas se sentir, tudo bem, para mim é parte de um processo! Um lindo e maravilhoso processo que trará meu filho para meus braços! O que me importa é que farei como as gatas: meu foco não é a dor, meu foco é o milagre que estará acontecendo naturalmente, um maravilhoso milagre que trará meu filho para ser cheirado e aninhado pela fêmea que há em mim!

É isso…

17 comments to Sobre a dor do parto!

  • Chay

    Liiindooo,amei parabéns e muiito luz p vc e p seu bb,q se deus quiser vai vim com muita saúde e o proximo texo lindo será o relato da sua vinda.

  • Renato e Paola

    Nós estamos muito felizes (muito mesmo) com essa linda notícia da vinda do Francisco. Que Deus ilumine ainda mais o caminho dessa nova brilhante família. Nós gostamos muito de vocês. E desejamos do fundo do nosso coração que vocês continuem com essa harmonia e com essa luz que tanto admiramos. Parabéns pela conquista.

    Paola e Renato.

  • Renata

    Luzinete, me apaixonei pelo seu texto e senti uma pitadinha de inveja do seu parto, eu vou dar a luz no hospital mas depois de estudar um pouco mais estou achando que um parto na água, um parto em casa, um parto natural seria a melhor decisão mas terei outros filhos para vivenciar essa experiência.
    Minha mamma deu a luz a 6 crianças, todas de PN. Ela pariu os 6 filhos, incluindo minha irmã e eu que somos gêmeas então cesárea nunca foi uma opção pra mim! Parabéns pelo anjo que está pra chegar!

  • Isabel

    oi flor… o que relatou não é diferente do que é real, embora ainda não tenha passado fisicamente por isso, sinal que pesquisou muito e isso é fundamental pra se ter o que quer! Tive tres partos: primeiro cesárea desnecessárea, segundo normal com analgesia, e terceiro natural no leito hospitalar, não foi em casa pq estava de mudança literalmente! Posso afirmar que o processo é doloroso sim, mas é magico e reconfortante o nascimento do filho pelo processo natural! Após o nascimento parece que uma mágica age, a dor some completamente, eu nem senti a contração ao expelir a placenta, estava já com Bianca no meu seio ainda no cordão umbilical e a placenta dentro de mim… jamais esquecer!
    Vale a pena!
    bjus

    • Luzinete Carvalho

      Olá Isabel!!
      Muito obrigada pelo seu comentário, é muito bom saber que minhas pesquisas estão bem fundamentadas e ninguém melhor para me dizer isso do que alguém como você que conhece ambas as experiências!
      Parabéns pelos três filhos, e espero logo poder contar como foi meu parto da mesma maneira mágica e cheia de beleza que você descreve os seus!
      Beios!

  • Janet

    Luzinete, estarei aqui acompanhando o seu blog e torcendo por vc. Sinceramente.

    Eu optei pelas cesas eletivas e até hoje não me arrependi. Mas nasci de um parto em casa (aí o termo, caseiro) e foi uma experiencia ruim para a minha mãe e para mim pois fui arrancada a forceps. Claro que se fosse em um hospital talvez o desfecho poderia ter sido outro. Quem me arrancou de minha mãe foi um médico, GO e com experiencia pois a parteiro amarelou qdo viu o parto se complicar.

    • Luzinete Carvalho

      Olá Janet!
      Obrigada por dar sua atenção ao nosso blog e principalmente pela torcida que acredito sim ser muito sincera!
      Sinto muito pela experiência ruim que sua mãe teve, sabe que hoje em dia os profissionais ainda “amarelam”?? Mas agora isso acontece geralmente com o médicos, que não conseguem esperar um trabalho de parto espontâneo que comece depois de 40 semanas, que não conseguem acompanhar um trabalho de parto que supere 10, 12 horas… Ric Jones sábia e ironicamente chamou isso de “sofrimento obstétrico”!!
      E não sei se o seu nascimento tivesse sido no hospital o desfecho pudesse ter sido diferente não… Infelizmente sabemos de muitos partos hoje em dia mesmo que são extremamente traumáticos para a mãe, mas isso pq mais importante do que ONDE você terá seu parto é QUEM vai acompanhá-la durante esse momento tão delicado e belo!!
      O que acontece são procedimetnos totalmente discutíveis, práticas feitas por hábitos e padrões e que deveriam ser banidas no atendimento à parturiente e ao recém nascido, e despreparo e até mesmo crueldade por parte de muitos profissionais da área!! Juntando tudo isso o resultado é um parto que de normal ou natural não tem nada, extremamente traumático, e costuma-se culpar o parto sendo que as técnicas e procedimentos é que deveriam ser mudados…
      Quando falo de parto natural, não importa onde, se no hospital, em casa de parto, em casa, o importante é você ter ao seu lado PROFISSIONAIS HUMANIZADOS! Aí sim, creio num desfecho diferente onde as lembranças sejam apenas positivas, belas e que ninguém abriria mão de ter tal experiência…
      Grande beijo!

  • Patricia

    Como sempre perfeita em todas as palavras!
    Lindo texto…
    Tenho cereza que seu parto será um acontecimemto maravilhoso e surpreendente na sua vida. Espero anciosamente por este relato!

    Parabéns pelo texto e pelo filhão, parabéns por ser esta mulher tão inteligente e ponderada!

    Beijões.

  • Lidia

    Oi, Luzinete!
    Parabéns pela ótima escolha!
    Ainda não estou grávida, mas trabalho minha mente desde a adolescência em prol do PN.
    Dizer que não tenho medo da dor do parto é impossível, mas o link que vc postou me confirmou o que já haviam me dito: a dor do parto é normal, aceitável e necessária para um PN saudável.
    Tenho uma amiga que pariu um bebezão de mais de 4kg e que me disse que a dor “passa” assim que o bebê é expelido, e que a sensação de alegria vem acompanhada de um imenso bem estar.
    Doeu? É claro que doeu, mas pegar no colo aquele grande bebê que ela gerou e pariu a fez esquecer a dor.
    Espero poder parir meu bebezão -qdo chegar a hora- com conforto e segurança; e adoraria que fosse numa banheira… ou de cócoras, como uma índia! Acho que isso está no sangue, pois tenho ascendência indígena. rsrsrs
    Nos dias atuais, o parto natural é tido como anormal ou aberração e isso me encomoda e chateia.
    Mas as mulheres são guerreiras por excelência!! rsrsrs
    Bom, parabéns pelo filhão que está por vir, e te desejo um parto tranquilo e excelente recuperação.
    Beijocas.

  • Selma

    Olá, estou gravida de quase 5 meses e tenho um filho de 6 anos. Não escolhi ter cesariana, mais passei mais de 12 horas com a minha bolsa rompida e sentindo mtas dores e não tive nenhum cm de dilatação, foi ai que eles decidiram fazer uma cesariana. Eu tinha mto medo de fazer cesariana, mais não teve outro jeito, e para minha surpresa não sofri nada e a minha recuperação foi maravilhosa sim. No outro dia ja dava banho no meu filho sozinha e não senti essa dor toda que vc acha que se sente. Agora eu vou fazer cesariana por opção e não tenho a mínima dúvida do que eu quero. Mais admiro a sua determinação e tomara que não mude de ideia após o parto do seu filho. Um bom parto pra vc…

    • Luzinete Carvalho

      Selma minha querida… Vamos por partes!
      Em primeiro lugar parabéns pelo filho e pela atual gravidez! Em meu post deixo claro que não escolhi um parto nem de longe parecido com o que tentaram forçar vc a ter! Se eu tivesse passado pelo que vc passou certamente também teria muito receio de viver esta experiência terrível, frustrante e inútil de novo! Afinal ficar 12 horas em sofrimento para acabar em cirurgia deve mesmo ser muito ruim, acredito que até muito pior do que a recuperação depois!
      Outra coisa, tenho amigas que passaram pela cesárea e tiveram ótimas recuperações como a que vc descreve! E no mais deixo claro que não me iludo quanto a existência de dor no parto natural sem nenhuma anestesia como o que eu escolhi para mim, na cesárea acredito que deve ser bem simples mesmo, e afinal, um remedinho sempre dá um jeitinho não é mesmo?
      Lamento apenas quando ouço estórias como a sua, de alguém que teve uma experiência ruim de parto e pensa que as únicas opções são aquilo que já viveu e a cesárea… Afirmo que não é! Mas acho que isso não a interessa, portanto acredito quando diz que não tem dúvidas sobre o que escolheu, afinal, vc escolheu de acordo com o que vc conhece!
      Hummmm… mudar de idéia depois??? Acho difícil! Mas convido-a a continuar acompanhando nosso blog e veremos juntas como será!
      Grande beijo!

  • Juliana

    Muito legal Luzinete! Você foi perfeita, seu parto vai ser lindo! Gostei muito do texto. É importantíssimo mesmo que a mulher se sinta uma fêmea mamífera da natureza, isto torna tudo muito mais fácil. Depois de ter passado por um parto hospitalar frank, loucura pra mim é parir num hospital! Sua decisão é muito sábia, e to sabendo que vc terá uma equipe muito atenta te assistindo. Ah, e para mim coragem é escolher fazer uma cirurgia em vez de ter um parto natural!!! Parabéns!

    • Luzinete Carvalho

      Juliana, tenho recebido congratulações pela minha “coragem”, mas na verdade é isso que vc falou: coragem mesmo é optar por cirurgia e hospital quando não há necessidade para isso!
      Para mim cesárea só se for para salvar nossas vidas e hospital só se for para fazer cesárea…
      O sentimento de fêmea deve existir desde sempre ao decidirmos por vivenciar nosso parto, com certeza isso nos coloca em sintonia com um outro lado da questão que permanece invisível para quem não despertou para este poder inerente à mulher!
      Estamos torcendo muito para que tudo sai conforme sonhamos e planejamos com tanto cuidado e carinho!
      Continue nos acompanhando!
      Beios!

  • Janet

    Belo post.

    Eu fiz duas cesáreas e as recuperações foram maravilhosas. Assim como vc, eu tb me preparei para fazer o parto cesáreo com segurança, harmonia, responsabilidade e muito amor, pois decidir a forma de via de nascimento, envolve tb, muito amor.

    Meus dois partos foram lindo e meus filhos são maravilhosos e saudáveis.Tb tive 2 abortos espontaneos e passei pela dor terível, rasgante e frustrante.

    Boa sorte com o seu parto caseiro. Acho muita coragem, nos tempos de hoje.

    • Luzinete Carvalho

      Janet, em primeiro lugar parabéns pelos dois filhos, estou certa que são a riqueza de sua vida!
      Aborto é sempre isto que vc descreveu: uma mistura de dor física acompanhada de uma imensa frustração, mas que graças a Deus passa quando temos uma gravidez saudável não é mesmo??
      Segurança, harmonia, responsabilidade e amor, acrescento apenas alegria a essas palavras, e na minha opinião é isso mesmo que importa, se esses sentimentos estavam envolvidos quer dizer sua experiência deve ter sido a melhor possível!
      Quanto a parto em casa nos tempos de hoje… Minha querida!! Muito mais seguro nos dias de hoje, quando podemos contar com profissionais capacitados e com ampla experiência como é o caso das obstetrizes que nos acompanharão, vc sabia que elas tem 25 e 15 anos de experiência em obstetrícia e neo natologia em hospitais como o Albert Einstein? Segundo os próprios médicos elas estão mais preparadas para acompanharem parto natural do que os GOs cuja especialidade é mesmo cirurgia!
      Continue acompanhando o blog, logo poderei contar como foi o parto!
      Bjs!

  • Claudia

    Luzinete, lindo relato, olha acho q haverá diferenças entre as dores, vc vai ter no parto toda aquela emoção e alegria de em breve ter o Francisco em teu colo, diferente da dor que nos parte num caso de aborto, pode ter certeza q será pleno e lindo.

    • Luzinete Carvalho

      Obrigada Cláudia!
      E tenho certeza que haverá uma grande diferença entre as dores! Apenas usei o exemplo como referência para a dor fisiológica, que não ignoro e não nego simplesmente por ser realista quanto a isto!
      Mas não há mesmo comparação entre os significados de uma e outra!
      Beijos!